Your Ad Here




Sunday, November 01, 2009
Georges Seurat, e o neo-impressionismo

Muito atento ao cientifismo ótico de seu instante, Georges Seurat (1859-1891), o mais representativo dos neo-impressionistas, ensaiava já por 1882 uma pintura de toques decididamente fragmentados, intensos de cor e luminosos. Uma fragmentação da que mais tarde procederiam os nomes de divisionismo e pontilhado. O mesmo Seurat funda, em 1884, juntamente com os artistas rejeitados pelo salão oficial, a Sociedade de Artistas Independentes, presidida por Odilon Redon e em cujas exposições o Neo-Impressionismo poderia dar-se a conhecer e contrastar. Pode-se dizer que em 1888 conseguiram já os propósitos da nova empresa neo-impressionista, cujos outros militantes da primeira jornada seriam o também muito importante Paul Signac (1863-1935), Albert Dubois-Pillet (1845-1926), Henri-Edmond Cross (1856-1916), Charles Angrand (1854-1926) e, só temporáriamente, como mais atrás foi dito, o grande impressionista Camille Pisarro. Além das possibilidades brindadas pelo Salão dos Independentes, efetivo aglutinante intelectual seriam para eles as reuniões do Café Marengo e do Café de Orient. Levando muito a sério a conjunção ciência-arte. Até tal ponto que Signac fez tudo quanto pôde para que na primeira, na ciência ótico-cromática, lhe ensinasse o longevíssimo e venerável Chevreul. Como anos mais tarde, em 1899, Signac publicaria uma obra teórica tão básica quanto De Eugéne Delacroix ao Neo-Impressionismo. Obra própria de um novo tempo do artista "contemporâneo", não só incitado a explicar sua arte; obrigado também a dar a explicação da tendência em que milita, sentida como "crença", sistema, dogma... a desejar ver imposta nos outros, excludente de outros modos de conceber e fazer. Signac deixou clara a metodologia seguida pelo Neo-Impressionismo: potenciar ao máximo a luz, a cor e a harmonia; mediante a fusão ótica cromática – na retina do espectador, não com tintas misturadas sobre a paleta ou sobre a tela –, dois pigmentos "puros" equivalentes aos dos prismas; com a separação da cor local, cor luminosa e suas reações; mercê do equilíbrio desses fatores e das correspondentes proporções, de acordo com as leis do contraste, da degradação e da irradiação; obrigando-se a escolher o toque proporcionado às dimensões do quadro e, assim – postos à distância adequada para sua contemplação –, obter a mistura ótica das tintas divididamente dispostas em casa toque ou "ponto".

Porque até termo preocupava a pureza da cor, os neo-impressionistas se propuseram uma maior limpidez misturando-o na visão do espectador, em vez de manipulá-lo sobre a paleta. Feito que era tão certo como possível, mas que ao mesmo tempo supôs a renúncia a incontáveis recursos, realizações e efeitos coloridos. Como a mais metódica execução mediante pontos, – o pontilhado sistemático –, descartava os infinitos jogos possíveis da pincelada, as decisivas riquezas da fatura. Enquanto, sem dúvida inesperadamente, se recupera a concretização da forma, o desenho que o Impressionismo tinha desvanecido por inteiro em sua esfumante percepção atmosférica. Intelectualizava-se a composição potenciando-se os foros da geometria. Se não completamente, é em grande medida abandonada a pintura ao ar livre. O ateliê do artista se transforma em laboratório da cor. O sensorialismo, a visão "natural" recebe um forte golpe; por causa da ótica cientifica. Domina a investigação a percepção; o cálculo e a formula sobre a espontaneidade converte-se em todo um risco a tentação do formulismo. Não faltam a frieza e a insipidez nos menos sensíveis, embora bem dotados para apropriar-se do sistema. Ainda um tanto decaído o exercício da intuição. Da lucidez improvisadora. A arte como lucubradora ocupação intelectual impõe a sua vontade. Encontra, talvez, demasiado rápido suas normas e, imediatamente, tudo que se está fazendo fica rapidamente previsto. E que conste que tudo quanto até aqui se diz não foi negativo. Mas simplesmente aconteceu assim. E com efetivo talento inovador. (História Geral da Arte, Ediciones Del Prado, Outubro de 1996)


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

O Sena em Courbevoie, de Georges Seurat.



Mais quadros de Georges Seurat aqui.

Posted at 01:14 pm by Flamarion Daia Júnior

camyla
May 5, 2010   03:19 PM PDT
 
eu quero saber sobre o neo-impressionismo??????????????????????????????????????????????????
 

Leave a Comment:

Name


Homepage (optional)


Comments





Previous Entry Home Next Entry




<< November 2009 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
01 02 03 04 05 06 07
08 09 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30


If you want to be updated on this weblog Enter your email here:




rss feed






















Zadig

Achou bonitinho? Ent�o salve o banner e coloque o meu link na sua p�gina!























































































rel=